40 dias depois, nada de ajuda federal

Data: 13/07/2005 | Hora: 00:00 | Por: Leonardo Rodrigo


Com a prisão do deputado com mais de R$ 10 milhões em sete malas, ficamos a pensar: aquele dinheiro representa pouco mais de 60% que o nosso município precisa para ser reconstruido. Pois é, passados 40 dias, nem sinal do dinheiro que o governo federal ficou de mandar para as cidades atigindas. Bem que aquele dinheiro encontrado com o deputado resolveria uma parte da situação da nossa cidade. Agora, imagine dos mais de 400 deputados que a câmara tem, apenas dezesseis fossem pegos cada um com aquela quantia, daria pra resolver a situação de todo o estado.

Deixando a utopia de lado, a realidade de Moreno é a seguinte: 1.558 pessoas atingidas, com 475 casas destruídas e 79 danificadas. Escolas públicas, particulares e centros comunitários também foram atingidos. A prefeitura contabiliza que 67 famílias estejam em abrigos municipais, e outras 200 tenham sido relocadas para casas de parentes. O município recebeu da Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe) 550 cobertore, 961 colchões, 792 cestas básicas e 3 mil roupas. Sem contar com a colaboração de empresas e da sociedade.

A prefeitura ainda terá que recuperar 8 km de estradas, além de vias públicas e calçadas destruidas pelas águas. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente preparou um relatório mostrando os prejuízos e o impacto que a enchente causou em Moreno. Este documento foi enviado para o governo federal com o objetivo de conseguir recursos para a reconstrução da cidade e suporte no atendimento as pessoas atigindas. Qualquer pessoa pode ler este relatório, já que a prefeitura o disponibilizou na internet. Seu endereço é: http://www.enchentesmoreno.rg3.net.

Contudo, o governo da cidade ainda mantém pontos de coleta de alimentos e material de higiene para atender as necessidades daqueles que estão nos abrigos, esperando que algum deputado doe uma daquelas malas para que possam assim, recomeçar suas vidas.
Leonardo Rodrigo, leoecia.com - 1998/2014. © Todos os direitos reservados.